terça-feira, abril 26, 2005

Ainda o Estádio do Algarve

Pois bem: ainda não tinha tido a oportunidade de me pronunciar sobre a mudança do Estoril – Benfica para o Estádio de Faro – Loulé. Eu como outras 30 mil pessoas desloquei-me, ao Algarve, com a principal intenção de assistir ao encontro. E se já concordava com alteração do local, mais convencido regressei a Lisboa.
Os motivos são muitos, começar pelo ambiente que rodeou o jogo. Posso garantir que de todos os jogos da SuperLiga a que já assisti este foi, neste aspecto, o mais parecido com aquilo que vi no Euro 2004. Milhares de pessoas, do Benfica e do Estoril, homens e muitas mulheres que aproveitaram o fim-de-semana e foram assistir a um jogo de futebol, num ambiente descontraído e muito simpático e com muita animação nas bancadas.
Depois porque vi o Estádio do Algarve, que custou e continua a custar mensalmente muito dinheiro aos contribuintes portugueses, voltar a servir para aquilo que foi realmente concebido. Receber jogos de futebol com as condições mínimas e a dignidade exigida: estacionamento facilitado, cadeiras confortáveis para toda a gente, bares e casas de banho em condições enfim, tudo aquilo que o Estádio do Estoril, como muitos outros em Portugal, não conseguiria, por certo, oferecer.
Estou, sinceramente, à vontade neste aspecto porque não defendo esta ideia desde a passada semana. Na minha opinião todos os clubes que não possuem um estádio em condições deveriam ser incentivados a realizar os seus jogos, nos estádios novos mais perto das suas cidades. Portugal gastou muito dinheiro a construir infra-estruturas das melhores da Europa, não faz sentido que o nosso campeonato, adeptos, jogadores, dirigentes e jornalistas não tirem o melhor partido e beneficiem dessas condições. Provavelmente poucos saberão mas muitas rádios, incluindo as nacionais como a Rádio Renascença, tiveram que fazer a transmissão, ontem, do Penafiel – Braga, a partir do estúdio devido à falta de lugares e condições de trabalho. Poucos saberão também ou não querem saber que o Estoril no seu estádio, cheio, teria feito uma receita com o Benfica de 7 mil contos. No Algarve fez cerca de 200 mil. Isto faz algum sentido? Que mal tem o Penafiel receber o Sporting em Guimarães, por exemplo, ou o Belenenses jogar com o Porto em Alvalade. Da minha parte só vejo benefícios, mas posso estar errado, claro.

1 Comments:

At 4/26/2005 05:06:00 da tarde, Blogger Dourador de apitos said...

Concordo com quase todas as questões afloradas(menos a essencial)e que o espectáculo foi, de facto, bonito e que devia ser repetido por todo o país.
Neste sentido, resta uma de duas soluções:
1. Alterar o artigo do regulamento que proíbe a troca de estádios, ou;
2. Excluir da 1.ª Divisão aqueles clubes que não têm condições, logísticas e financeiras, para tornarem o futebol um espectáculo.

 

Enviar um comentário

<< Home