sexta-feira, junho 30, 2006

A TACTICA!

"Que estrutura? 4x4x2 ou 4x3x3? Penso que se Eriksson apostar na primeira saíremos beneficiados

Verticalidade no passe e na penetração sempre. Jogo transicional explosivo. Talento individual quanto baste mas caótico e fora da organização colectiva da equipa. Estas quatro características eram suficientes para descrever uma história e uma cultura intrínsecas ao futebol britânico até há três anos atrás. Entra em cena José Mourinho e aí o que o futebol inglês lhe deve é que já não se transmite em poucas palavras: ordem, disciplina táctica, organização, modelo de jogo, metodologia única, cultura de vitória, potenciação de talento e muito muito mais. Fruto disto o futebol inglês está em transformação e isso reflecte-se numa selecção nacional de estilo europeu apoiada entre outros em três jogadores do Chelsea a jogar ao mais alto nível.

Vamos à análise. Antes de mais que estrutura? 4x4x2 ou 4x3x3? Penso que se Eriksson apostar na primeira saíremos beneficiados. Inegavelmente durante a nossa organização ofensiva teríamos superioridade numérica no meio-campo e o posicionamento de Figo entre linhas iria apanhar Gerrard e Lampard de surpresa e expostos. Se jogassemos com um pivot defensivo seria diferente porque numa situação dessas bastaria que Rooney ou Crouch baixassem um pouco para controlar Petit e garantir o equilibrio defensivo. Mas sendo nós uma equipa de posse de bola, que joga com um pivot ofensivo e que tem alas de comportamentos interiores seria suicídio se Eriksson o fizesse. OK, compreendo que em desvantagem no marcador Crouch entrará em campo e trará consigo o velho estilo britânico de futebol directo, mas nessa fase, com a iniciativa de jogo do lado dos ingleses, o importante é controlar a segunda bola de Crouch em profundidade com os laterais bem fechados e com a ajuda dos médios a acompanhar a chegada de Lampard de trás para a frente.

Mas vamos lá ao 4x3x3 inglês. Neste sistema os ingleses ficam mais sólidos defensivamente e mais imprevisíveis no ataque. Ashley Cole é explosivo na saída para o ataque, mas não é no overlap a Joe Cole que é mais perigoso, é sim na profundidade interior para chegar a posições de remate (atenção espaços entre Meira e Miguel). Neste sistema, Lampard e Gerrard têm a cobertura de Carrick nas suas costas e vão andar de forma louca a penetrar. Como sabemos o timing é fabuloso portanto é necessário seguir sempre e se possível impedir o remate na zona frontal. Há também trocas funcionais e a mais comum é quando Beckham vem dentro para funcionar como terceiro médio(arrasta consigo a marcação do lateral) para que Gerrard entre imediatamente nesse espaço e dessa posição organiza ou cruza com perigo. Joe Cole pode exprimir-se com mais liberdade e adora vir receber bola nas costas dos médio centro (atenção Petit). Jogar em fora de jogo com Rooney também me parece arriscado, é muito rápido e tem uma diagonal fantástica entre os centrais (pelo menos Carvalho conhece-o bem e antecipar-se-á).

Agora as boas notícias. É nos períodos de transição defensiva que poderemos tirar mais partido da desorganização inglesa. É óbvio que numa primeira fase de transição teremos que eliminar uma pressão intensa que poderá levar inclusive ao nosso próprio erro mas se conseguirmos evitá-la a equipa inglesa está partida e exposta. Nas laterais Neville e A.Cole (se tiver recuperado a tempo) controlam mal o espaço interior e se os nossos alas temporizarem bem a diagonal podem surpreender Ferdinand e Terry nas costas. Há também muito espaço entre o posicionamento de Carrick e o de Lampard e Gerrard portanto se os nossos alas não quiserem dar profundidade e preferirem jogar para posse podem sempre fazer movimentos entre linhas e criar superioridade no meio-campo. Depois há Miguel, e tal como com Robben, também com Joe Cole se poderá explorar algumas faltas de atenção para chegar em profundidade ou para garantir amplitude. Para terminar à Maniche, que tem que penetrar o mais possível porque Lampard e Gerrard estão distantes e Carrick não pode controlar tudo.

Somos melhores e temos equipa.

Força! "

André Vilas Boas

5 Comments:

At 6/30/2006 12:58:00 da tarde, Blogger tapa buracos said...

Muito me vou rir quando engolirem essas palavras e perderem o jogo amanhã. Vai ser um grande dia para mim como apoiante confesso da selecção inglesa e especialmente como adepto de futebol.

 
At 6/30/2006 12:59:00 da tarde, Blogger tapa buracos said...

NR: essas palavras="somos melhores"

A chave do jogo vai estar em um ou dois lances de bola parada e nas faixas laterais do ataque inglês...

 
At 6/30/2006 03:27:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

tu és é uma merda ambulante!

 
At 6/30/2006 04:28:00 da tarde, Blogger Tiago said...

Grandes palavras... é por isto que o zé é o melhor.
Quem lê isto fica com a sensacao que o futebol é uma ciencia exacta, tal a descricao de todos os espacos e campo.
Brilhante

 
At 6/30/2006 04:51:00 da tarde, Blogger Pontapé na Atmosfera said...

Gosto especialmente desta parte

"Verticalidade no passe e na penetração sempre. Jogo transicional explosivo."

neste contexto, nem consigo perceber o que isto quer dizer....

 

Enviar um comentário

<< Home