quinta-feira, setembro 01, 2005

Curiosidades II

Esta não é em especial para ninguém. Mas podia perfeitamente ser...

"O Boavista é a equipas com maior percentagem de jogadores portugueses nos respectivos plantéis. (...) Dos três grandes, o Benfica é o que melhor aproveita os jogadores nacionais.

Marítimo, 8 portugueses/30 jogadores, 26,6 por cento
Naval, 9/25, 36%
Nacional, 11/29, 37,9%
V. Setúbal, 10/24, 41,6%
U. Leiria, 11/25, 44%
Académica, 12/26, 46,1%
F.C. Porto, 13/28, 46,4%
Penafiel, 16/30, 53,3%
Sporting, 15/27, 55,5%
V. Guimarães, 14/25, 56%
Benfica, 15/26, 57,6%
Rio Ave, 16/27, 59,2%
Gil Vicente, 15/25, 60%
Sp. Braga, 15/25, 60%
Belenenses, 14/23, 60%
E. Amadora, 20/31, 64,5%
P. Ferreira, 16/24, 66,6%
Boavista, 16/23, 69,5%
" in MaisFutebol

3 Comments:

At 9/01/2005 12:49:00 da tarde, Blogger Dourador de apitos said...

Acho verdadeiramente escandaloso que possam existir clubes na I Divisão que nem um 11 só de Portugueses consigam fazer.
Também não compreendo que os 3 grandes tenham chegado ao ponto de não conseguirem ter um onze e um banco só de Portugueses.
Acho que, salvaguardada a situação/excepção dos comunitários isto era o mínimo que devia ser exigido...
O grande problema é que a grande maioria do "enxame" de jogadores brasileiros contam como comunitários...

 
At 9/01/2005 12:51:00 da tarde, Blogger DC said...

Para completar esta douta análise só falta o rácio do nº portugueses com a idade. Talvez aí o Sporting esteja noutro lugar.

 
At 9/01/2005 02:08:00 da tarde, Blogger O pé que está mais à mão said...

Acho que o factor idade é completamente indiferente, até porque a estratégia dos clubes pode variar. O Sporting lança muitos jovens, é verdade, mas também é verdade que muitos se tornam grandes jogadores depois de saírem do Sporting...
Comprar jogadores portugueses lançados por outros clubes também é uma estratégia aceitável, vide casos como Petit, Nuno Gomes, JVP, do Boavista, ou Ricardo Rocha e Tiago do SCB (ou agora o João Alves)...
Concordo com a gravidade da situação em alguns clubes, não por terem demasiados estrangeiros, mas porque na maior parte das vezes estes não acrescentam nada às equipas.
Acho que não se pode comparar um Lucho, Liedson, McCarthy, Geovanni, Anderson, com alguns brasileiros de 5ª linha, que poderiam dar lugar a muitos juniores portugueses...
Talvez um dos problemas seja a saída prematura, e fomentada pelos empresários, de muitos dos nossos jovens talentos para campeonatos europeus, onde na maior parte das vezes não chegam a lado nenhum...

 

Enviar um comentário

<< Home