segunda-feira, maio 16, 2005

Balanço final

Tendo assistido aos festejos de Sábado percebi que o campeonato (a atender pelos "festejantes", o campeonato Angolano e não o Português) acabou... Sendo assim importa fazer um balanço final do campeonato e, em especial, da prestação dos três grandes.
Assim:
  1. O SLB conseguiu ser a equipa mais regular do campeonato e por isso merece ganhar. Foi o melhor dos três grandes em casa (12V, 3E e 2 D) e o segundo melhor fora (7V, 4E e 5D), ficando com o segundo melhor ataque e com a segunda melhor defesa da prova. Não tem o melhor plantel, mas conseguiu ter o onze mais equilibrado. O mérito da vitória vai (quase todo) para o Senhor Trapattoni, por ter conseguido gerir com mestria e com alguma sorte (traduzida na falta de lesões) um plantel limitadissímo. Com efeito, o SLB consegue ser campeão com apenas 15 jogadores (16, se contarmos com os 2 GR) a jogarem regularmente: os 11 titulares, o Fyssas, o João Pereira, o Karadas e o Mantorras. Os restantes são/foram paisagem... Para mim, em termos de futebol praticado, a chave do sucesso residiu, essencialmente, na dupla Petit/Manuel Fernandes (sempre que um deles não jogou o SLB não ganhou ou viu-se grego para o fazer), bem apoiada pela dupla Luisão/Ricardo Rocha.
  2. O FCP foi o campeão da irregularidade e das contradições. Sem nunca jogar bem, foi a melhor equipa fora (10V, 5E e 2D) - superando mesmo o super-FCP do Mourinho - e o pior dos três grandes em casa (7V, 5E e 4D), tendo perdido 22 pontos no Dragão. Ficou com a melhor defesa, tendo, no entanto, os mesmos golos marcados que o Estoril e o Penafiel (!!). Continuo a defender que tinha/tem o melhor plantel dos três grandes, bem como o com mais potencial de crescimento, mas que nunca o soube gerir. Para mim, o insucesso desportivo deste ano deve-se, além da dança de treinadores e de jogadores, às constantes lesões do N. Valente, do Costinha e do Maniche, à indisciplina generalizada e às dificuldades de adaptação do Diego (entretanto superadas) e do Luís Fabiano (que devia/podia ter substituído - com benefício - o Derlei). Seja como for, se tivesse feito um campeonato sofrível ou apenas mau em casa, tinha sido campeão com relativa facilidade, mas sem qualquer mérito futebolístico...
  3. O SCP acabou por (me) surpreender e, se tivesse conseguido estabilizar, poderia/deveria ter sido campeão. Foi o segundo melhor em casa (10V, 4E e 2D ) e o terceiro fora (8V, 3E e 5D), tendo o melhor ataque do campeonato, com mais 14 (!!) golos marcados que o SLB. Para mim, é o pior e mais desiquilibrado plantel dos três grandes, não tendo laterais de qualidade, não dispondo de extremos, nem de qualquer substituto para o Liedson, mas tendo uma super-abundância (inigualável) de médios-centro. Deve (quase) tudo o que fez ao Liedson, bem coadjuvado pelo reaparecido/miraculoso Sá Pinto. Deve (quase) tudo o que não fez ao Ricardo, à sua desconcertante defesa e ao Peseiro, que (continuo a achar) é um tipo porreiro e de quem os jogadores gostam, mas percebe (muito) pouco de futebol.

Quanto ao campeonato propriamente dito, continuo a achar o que sempre achei: muito emotivo, muito disputado, mas o pior de que há memória. Com efeito, na melhor das hipóteses, o vencedor deste campeonato contabilizará menos seis pontos do que o terceiro classificado da época passada e não terá feito o suficiente para ser segundo em qualquer das últimas dez temporadas, pelo menos...

Por outro lado, este campeonato serviu para demonstrar que a competitividade do futebol português está dependente daquilo que o FCP é capaz de baixar, ao invés do desejável, ou seja, do quanto os outros pudessem crescer. Senão vejamos: "Se o campeonato fosse disputado apenas fora, o FC Porto já o teria ganho há muito. Se contássemos só os pontos em casa, seria décimo classificado. Há uma lógica? Nenhuma que tenha importância, calculo. Na generalidade, por detrás da pontuação, o FC Porto visitado convenceu pouco menos do que o FC Porto visitante. Não acrescenta nada de racional, pelo contrário, lembrar que, para chegar a estes números, marcou tantos golos fora como em casa (19)."

5 Comments:

At 5/16/2005 04:46:00 da tarde, Blogger O Menino Afogado no Rio said...

É bem verdade que o plantel do Benfica é muito limitado e o seu banco de uma enorme falta de qualidade, mas o velho teve uma sorte do outro mundo, porque quem teve presente no estádio, nunca acreditaria que depois das 3 substituições feitas pelo sporting, conseguisse-mos lá chegar, e foi num lance de sorte (frango)que lá chegamos. A mesma coisa aconteceu nos ultimos jogos, punha a carne toda no assador, e depois lá vinha um preto, que numa bola parada metia uma batata.
Já repararam que o Benfica nunca conseguiu encostar o adversário de forma contundente à sua grande área, e que nos últimos 7 jogos decidi-os quase todos de bolas paradas e nunca de bola corrida.O plantel do Benfica é o mesmo do ano passado, e os resultados e o futebol praticado são de uma inferioridade gritante. Ponham-me o velho daqui para fora.

 
At 5/16/2005 05:00:00 da tarde, Blogger Benfiquista desolado said...

Concordo com a totalidade do comentário, excluíndo um aspecto. É que o caro Dourador fala na regularidade, competitividade e nível do FC Porto, lembrando-se das duas épocas de Mourinho e tomando-as como um todo. Na minha opinião, o FC Porto baixou, claro. Mas baixou à normalidade das equipas que infelizmente não podem contar com o melhor treinador do Mundo. E recordo-me das 3 épocas anteriores à chegada do Mourinho ao FC Porto. Recordo-me até dos sócios do criticarem Pinto da Costa fazerem esperas e berrarem à equipa para jogarem à bola.
da mesma forma, de regresso á normalidade estão também alguns jogadores como Derlei Nuno Valente, Maniche, Costinha, Carlos Alberto, entre outros. Jogadores que não tiveram a sorte de acompanhar Mourinho e que regressaram á tal normalidade e assim se manterão.
É que Mourinho só há um e o melhor mesmo, será os adeptos do FC Porto habituarem-se a isso.
Para concluir o meu racíocinio, eu também gostava de dizer que a normalidade do Benfica era ganhar, calamamente, por 3-0 ao Sporting como aconteceu naquele fatídico dia em Mourinho resolveu abandonar o meu clube. Infelizente a realidade foi que se passou no sábado...e já foi muito bom ter ganho!

 
At 5/16/2005 05:10:00 da tarde, Blogger Dourador de apitos said...

Lamento mas não posso concordar com a redução da regularidade e competitivade do FCP ao "fenónemo Mourinho", principalmente quando o FCP ganhou 13 dos últimos 20 campeonatos.
É óbvio que houve épocas menos boas, assobios e contestação, mas se isto não é hegemonia, não sei o que será...

 
At 5/16/2005 06:46:00 da tarde, Blogger Benfiquista desolado said...

Não falei no meu comentário em hegemonia. Que o Porto a teve durante largos anos é um dado adquirido e não retiro o mérito. O que sempre houve foi competitividade ou normalidade. Tal como este ano, em que o Porto poderá novamente vencer.
Acho um dado adquirido que nunca os campeonatos foram tão fáceis de ganhar para o FC Porto, como quando Mourinho lá estava. Foi isto que eu quis dizer, e acho que é isso não voltará a acontecer tão cedo, felizmente para o meu Benfica.
Mas diz no post que o Porto desceu. É um facto. Mas recordo também, que não é o unico. Se o Benfica estivesse a fazer um campeonato ao nível do ano passado, teria nesta altura mais 10 pontos que o FC Porto.

 
At 5/17/2005 01:50:00 da tarde, Blogger meia distância said...

Estamos a falar dos 20 anos de apito dourado... a bem ou a mal.

 

Enviar um comentário

<< Home